Produtos

Marca que cria barras de cereais personalizadas na hora chega ao ES

0

A NOZ, primeira marca do mundo que cria barrinhas de cereais personalizadas e na hora vai desembarcar em território capixaba. A marca abre sua primeira franquia no Espírito Santo, nesta sexta, dia 17, em formato quiosque no 1º piso do Shopping Vila Velha.

Com um processo de seleção rigoroso nas escolhas das castanhas e todas suas oleaginosas e produtos naturais, a marca se expande pelo Brasil transformando o conceito em consumir barrinha de cereal para algo saboroso, prático, e acima de tudo saudável. As barrinhas são adoçadas com mel ou açúcar de coco, sem utilizar açúcares refinados.

Outro diferencial da marca é que o cliente pode personalizar a sua barrinha na hora e em alguns minutinhos ela fica pronta no quiosque. São mais de 20 opções de ingredientes entre castanhas, cereais, granolas, geleias e frutas, alguns, inclusive, são feitos e temperados com exclusividade pela marca.

E além das barras de cereais já prontas e as personalizáveis, no quiosque, os capixabas também vão encontrar outros produtos produzidos pela NOZ como as barrinhas de frutas, Pastas de Castanha de Caju, o Frozen e o Iogurte Vegano.

Segundo a capixaba Vivian Linhalis, quem está trazendo a novidade para os capixabas, até quem não gosta de barrinha de cereal vai se apaixonar pelo conceito da marca, já que a possibilidade de montar uma barrinha do seu jeito faz com que isso te aproxima mais do produto e que ele seja realmente com ingredientes que a pessoa curte. “Além dos diversos produtos naturais da marca, sem dúvidas, esse foi um grande diferencial e algo inovador que me fez querer trazer isso e apresentar aos capixabas. Certeza que quem já gosta de barrinha vai amar e quem não gosta vai ficar curioso para provar e depois vai se apaixonar também”, explica ela empolgada com a abertura do negócio essa semana.

NOZ Vila Velha
@comonoz.vilavelha
1º piso, Shopping Vila Velha
Tel: (27) 99201-0370

Powered by Rock Convert

Dar 7 mil passos por dia reduz em até 70% o risco de morte

Artigo anterior

Brasileiros desafiam supremacia africana no retorno da São Silvestre

Próximo artigo

Comentários

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X