Saúde do Corredor

Câncer de pele: saiba como identificar os sinais e prevenir

0

Dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SDB) revelam que pelo menos 205 mil brasileiros receberam o diagnóstico de câncer de pele nos últimos oito anos. O tipo não melanoma, que surge na superfície da pele, é um dos mais incidentes, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Entre os principais fatores de risco da doença estão o histórico familiar, pessoas de pele e olhos claros e o excesso de exposição solar sem proteção adequada. Segundo a entidade, os estados brasileiros que mais notificaram casos de câncer de pele, entre 2013 e 2021, estão concentrados na região Sul e Sudeste, em especial São Paulo e Paraná. Porém, apesar da incidência ser maior nesses locais, a região Norte também merece atenção.

“Rondônia, por exemplo, está posicionada próxima à linha do Equador, onde ocorre maior radiação solar. Isso aumenta a predisposição da população ao câncer de pele não melanoma, já que a exposição ao sol é o principal fator de risco da doença”, explica Juan Carlos Boado, médico e diretor Técnico do Hospital Bom Pastor, localizado em Guajará-Mirim (RO). “Apesar da população local ser predominantemente parda, temos muitos imigrantes de outras regiões, com pele mais clara, tipo mais propenso para desenvolvimento da doença e que demanda reforço nos cuidados”, acrescenta o médico.

As radiações solares são ondas eletromagnéticas ou partículas que se propagam com determinada velocidade, sendo classificadas como ionizantes ou não ionizantes. A radiação ultravioleta (UV) é do tipo não ionizante e possui menor frequência, sendo a principal onda relacionada ao câncer de pele devido à exposição crônica.

“Isso significa que a radiação solar possui efeito acumulativo, ou seja, ao longo do tempo, quanto mais frequente é a exposição sem mecanismos de proteção, maior a possibilidade dos raios UV penetrarem nas camadas profundas da pele e afetarem o tecido e vasos sanguíneos, surgindo manchas na pele, envelhecimento precoce e tumores malignos”, alerta o profissional do Hospital Bom Pastor.

Pertencente à entidade filantrópica Pró-Saúde, a unidade é referência, por meio do Sistema único de Saúde (SUS), para mais de 50 aldeias indígenas da região. Atuando de forma preventiva, o Bom Pastor realiza periodicamente palestras sobre câncer de pele com colaboradores e pacientes, a fim de auxiliar na detecção precoce e encaminhamento dos casos para investigação e tratamento em unidade de referência na capital do Estado.

“Neste período de férias de fim de ano, em que as pessoas costumam frequentar rios, praias e piscinas, a tendência é o corpo ficar mais exposto ao sol. Por isso, os cuidados devem ser redobrados”, enfatiza o médico. “É possível observar recentemente um aumento de casos de melanoma maligno, o que ressalta a necessidade de falarmos sobre a prevenção do câncer de pele”, complementa Juan. O alerta acontece no mês da campanha nacional “Dezembro Laranja”, organizada pela SBD, que busca promover a conscientização sobre os riscos da doença e reforçar as orientações sobre cuidados adequados.

Atenção aos sinais e sintomas

Por ser menos agressivo e ter alto índice de cura, a atenção aos sintomas é o ponto de partida ideal para identificar mudanças na pele e realizar o diagnóstico precocemente. Geralmente, o câncer de pele não melanoma se manifesta através de lesões vermelhas que formam ‘cascas’, feridas que não cicatrizam ou que apresentam dificuldade no processo de cicatrização, ou tumores róseos e pequenos. Além destes sintomas, existem outros que merecem atenção como:

·        Pintas pretas ou castanhas que mudam de cor, textura, tamanho e tornam-se irregulares nas bordas;

·       Manchas ou feridas que não cicatrizam e continuam crescendo, apresentando coceira, crostas, erosões ou sangramento;

·        Nódulos na pele;

·        Inchaço nos gânglios linfáticos (região do pescoço, axila e virilha);

·        Falta de ar ou tosse;

·        Dores abdominais e dores de cabeça. 

Outras características servem de alerta, como assimetria, bordas irregulares, mais de dois tons e crescimento ao longo do tempo. “Ao identificar qualquer alteração na pele, é muito importante buscar atendimento médico”, orienta Juan. 

Formas de prevenção

De acordo com análise da SDB, cerca de quatro mil brasileiros morrem a cada ano devido à doença. “As medidas preventivas são importantes pois o diagnóstico precoce, em estágios iniciais, possibilita 90% de chances de cura”, explica o especialista. 

Evitar a exposição excessiva ao sol e proteger a pele dos efeitos da radiação UV são as melhores formas de prevenção aos tipos de câncer cutâneo. Pessoas que possuem antecedentes familiares com histórico de câncer de pele, queimaduras solares e muitas pintas devem ter atenção redobrada aos seguintes cuidados:

·        Procure um médico dermatologista ao identificar sinais e sintomas na pele;

·        Uso de protetor solar com FPS mínimo de 30;

·        Use filtros solares diariamente, aplicando o produto pela manhã e antes do horário de almoço;

·        Evite a exposição solar entre 10 e 16 horas;

·        Evite bronzeamento artificial;

·        Mantenha o sistema imunológico forte;

·        Na praia ou na piscina, use barracas de algodão ou lona que absorvem 50% da radiação ultravioleta;

·        Use chapéus de abas largas, óculos escuros e camisetas;

·        Proteja bebês e crianças do sol, o protetor pode ser usado a partir dos seis meses.

Última chamada para a Meia Maratona das Praias. Inscrições estão na reta final

Previous article

Boom das corridas no ES: Federação faz balanço de 2022 e estimativa para 2023

Next article

Comments

Login/Sign up
X